Marabá

Dicas incríveis da Cidade
Previsão do Tempo - dia 27/07
Max: 38 °C
Min: 19 °C
Fonte: Cptec
Previsão do Tempo - dia 28/07
Max: 38 °C
Min: 19 °C
Fonte: Cptec
Previsão do Tempo - dia 29/07
Max: 38 °C
Min: 21 °C
Fonte: Cptec
Previsão do Tempo - dia 30/07
Max: 39 °C
Min: 21 °C
Fonte: Cptec

Sobre a Cidade:

Marabá é uma cidade brasileira do estado do Pará.

Sua localização tem por referência, o ponto de encontro entre dois grandes rios, Tocantins e Itacaiunas, formando uma espécie de “y” no seio da cidade, vista de cima. É formada basicamente por três núcleos urbanos, ligados pela estrada BR-230, a Rodovia Transamazônica.

A etimologia da palavra “Marabá” é de um termo indígena – como tantas outras que conhecemos por denominar rios, povoações, relevos e cidades do Estado do Pará – e significa filho do prisioneiro ou estrangeiro ou ainda, fruto da índia com o branco.

Curiosidade

Marabá possui uma população formada basicamente de maranhenses. É como se fosse um município do Estado do Maranhão.São maranhenses que se deslocam em busca de melhores condições de trabalhos. Os filhos que são nascidos em Marabá quase sempre são filhos de maranhenses.Marabá só perde para Paraupebas em quantidade de maranhenses.

Turismo

Marabá, cidade às margens dos rios Tocantins e Itacaiúnas com um nascer e um por do sol inesquecíveis para quem nela habita e que aqui chega.

Ficheiro:Maraba4.jpg

Marabá

Com seus cinco núcleos populacionais de características próprias, adquiridas pelas cheias dos rios, pela vinda de pessoas do país inteiro, e por sua potencialidade econômica.

Possui um forte apelo turístico em virtude de suas atrações naturais, aliada a economia gerada pela iniciativa privada, bem como o valor histórico da engenharia ali construída desde a década de 70, conforme diretrizes do governo militar, para atender as necessidades de instalações de siderúrgicas e incentivar a imigração oriunda principalmente do nordeste brasileiro.

A cidade dispõe de praças, clubes, espaços culturais, igrejas, galerias de artes, orla fluvial, belas praias e balneários, além de pesca esportiva e aventuras com passeios de barcos nos rios Tocantins e Itacaiúnas, nas trilhas ecológicas do Parque Zoobotânico de Marabá para quem adora diversão e aprecia a natureza.

Cidade pólo de desenvolvimento econômico do sudeste paraense, centro comercial, de decisões e negócios. Região rica em minérios, concentra investimentos e empreendimentos de indústrias, distribuída nas diferentes atividades da economia formal e informal do município.

Cidade de uma das estações da ferrovia que transporta passageiros, que escoa o minério de ferro da Serra Carajás a São Luis do Maranhão (Porto de Ponta da Madeira da companhia mineradora Vale).

Marabá oferece uma infraestrutura de serviços turísticos com vários hotéis, como o hotel capixaba, restaurantes, agências de viagens, locadoras de veículos, auditórios, parque de exposição, entre outros. Com isso, recebe muitos visitantes, seja para a realização de negócios ou para conhecer as belezas naturais do município.

Locais para realizações de eventos

  • Estádio Municipal Zinho Oliveira
  • Ginásio Olimpico de Marabá Renato Veloso
  • Parque de Exposição de Marabá
  • Cine Marrocos

Calendário de eventos

Fevereiro
Evento: Carnaval Corredor da Folia
Data: 25, 26, 27,28.
Local: Orla do Rio Tocantins Santa Rosa
Abril
Evento: Aniversário da Cidade
Data: 05/04
Local: Praças da Cidade
Maio
Evento: Exposição de Orquídeas
Data: 26,27 e 28
Local: Praças da Cidade
Junho
Evento: Festejos Juninos
Data: 23 a 29/06
Local: Praça São Félix de Valois
Julho
Evento: XX EXPOAMA Exposição Agropecuária de Marabá
Data: 01 a 09/06
Local: Parque de Exposição Agropecuário
Evento: Veraneio
Data: Abertura 02/07 programação de shows e torneios de esportes nos finais de semana
Local: Praia do Tucunaré e Praia do Geladinho
Evento: XIII Baile Anos 60
Data: 07/07
Local: Maçonaria Clube
Evento: XI MARALUAR
Data: 15/07
Local: Praia do Tucunaré
Evento: ORLA FOLIA
Data: 21,22,23
Local: Orla Rio Tocantins Sebastião Miranda
Evento: III MARABÁ ROCK
Data: 29/07
Local: Espaço Cultural Toca do Manduquinha
Setembro
Evento: XIV FICAM Feira da Indústria de Comércio de Artes de Marabá
Data: 06 a 09/07
Local: Ginásio Olímpico de Marabá
Outubro
Evento: CIRIO DE NAZARÉ
Data: 14 sábado romaria fluvial 15 domingo procissão até a Igreja N.sra. de Nazaré Fl.16
Novembro
Evento: X FEIRA DO LIVRO
Data: 13 a 15
Local: Aldeia da Cultura
Evento: FESTEJO PRAÇA SÃO FÉLIX DE VALOIS
Data: 13 a 15 Feriado Municipal dia 20
Local: Praça São Felix de Valois

História

Marabá começou a ser povoada em 1894, quando chegou à região o Coronel Carlos Leitão e fundou uma colônia agrícola próximo ao rio Tocantins. Em 1898 seus habitantes construíram um Barracão Comercial que chamaram de Marabá.

Seu crescimento se deu através da migração desordenada de pessoas de outras regiões, principalmente de nordestinos fugindo da seca. Com a migração desordenada, foram surgindo diversos conflitos. Tiroteios, desordens e crimes eram comuns ali. O local pertenceu ao município de São João do Araguaia.

Emancipada em 1913, Marabá passou por vários ciclos que sustentam sua economia até os dias de hoje. Começa com o ciclo da borracha, depois torna-se o maior exportador de castanha-do-pará do mundo.

Com a Segunda Guerra, os portos foram fechados e o ciclo do ouro começou. O ciclo atual é caracterizado pelo minério, pecuária, siderurgia e grandes empresas.

Fatores e pessoas importantes

Antonio Maia e a criação de Marabá

Antonio da Rocha Maia nasceu a 13 de junho de 1878, em Carolina, MA. Conforme informa Leônidas Duarte, Antonio Maia era trineto ilegítimo de D. Pedro I: sua avó paterna, Alzira, seria filha de D. José de Assis Mascarenhas, 5.º Governador da Província de Goiás e filho bastardo de D. Pedro I com Margarida Ernestina da Gama Souto.

Aos 18 anos, órfão de pai e mãe, Antonio Maia encontra-se em Baião, trabalhando com o comerciante Vítor Maravilha. Antonio acaba casando-se com D. Antonia Maravilha, filha do patrão. Em 1900 o casal muda-se para Marabá e Antonio passa a comercializar o caucho, com sucesso. A partir de 1907, Antonio – já o “Coronel” (de patente comprada) Antonio Maia passa a empenhar-se pela autonomia da região de Marabá, juntamente com outros homens, como Antonio Braga e Chaves, Antonio de Araújo Sampaio, Messias José de Souza, Melchiades Fontenelle e Sérvulo Brito.

Surge João Parsondas de Carvalho

Em 1908, o movimento emancipatório desenvolvido em Marabá levou o advogado provisionado João Parsondas de Carvalho a levar ao governo de Goiás a proposta do povo de Marabá e Conceição do Araguaia, de vincular-se àquele Estado. Marabá pertencia a Baião, que nenhuma assistência podia dar à região.

O Governo goiano enviou nomeação a Norberto de Melo, para arrecadador de tributos. O governo do Pará reagiu, criando o município de S. João do Araguaia pela Lei nº. 1.069 de 5 de Novembro de 1908, e estabeleceu seus limites (Decreto 1588 de 4 de Fevereiro de 1909). A mesma Lei 1.069 criou o Distrito Judiciário e Comarca do Araguaia. A Sede foi instalada em São João do Araguaia. Marabá passou a pertencer ao novo município como Distrito judiciário, contrariando o desejo de seus habitantes.

Mas a luta prosseguia

Em Marabá a mobilização continuou, iniciou-se a impressão de um jornal. O Itacaiúnas (dirigido por Alfredo Rodrigues de Monção, Manoel Domingues e Libório Gonçalves de Castro). Uma comissão, presidida por Antonio Maia, formou-se para preparar um ante-projeto de lei de criação do município de Marabá. Em 1912, o ante-projeto estava pronto, mas achou-se conveniente aguardar o ano seguinte, após a eleição para governador.

Afinal, a vitória

Em 1913, a comissão encarregou Pedro Peres Fontenelle de levar o projeto a Belém; apresentado pelo deputado Antonio Martins Pinheiro, o projeto foi do Cinqüentenário de Marabá. Antonio Maia foi nomeado, pelo governador, presidente da Comissão Administrativa do novo município. Um ano depois, em 1914, Antonio Maia foi eleito Intendente Municipal (cargo que corresponde ao de Prefeito).

Como surgiu o nome da cidade

Um poema escrito por Gonçalves Dias inspirou Francisco Coelho, que denominou o seu armazém de aviamento, situado na confluência dos rios Tocantins/Itacaiúnas. O armazém, na verdade um grande barracão, servia aos pioneiros de todo tipo de secos e molhados. Lá, segundo a tradição, Coelho comprava o caucho coletado, andiroba, copaíba, frutos da mata, caças diversas e, nos fundos mantinha um animado cabaré, com a venda de bebibas e mulheres que ele mesmo mandava vir do Maranhão.

Cronologia

1892 – Lutas sangrentas em Boa Vista do Tocantins (GO) levam várias famílias a buscarem outros locais para viver.

1894 – Carlos Leitão, com um grupo de seguidores, vem para as proximidades do rio Itacaiúnas, onde pretende instalar um “Burgo Agrícola”.

1895 – O “Burgo Agrícola” é instalado (5 de agosto de 1895).

1896 – Uma expedição parte do Burgo em busca dos campos gerais (campos naturais para a criação de gado) e descobre por acaso a presença do caucho (Castilloa ulei) na região do Tocantins-Araguaia-Itacaiúnas. Esta foi a primeira riqueza de Marabá.

1897 – Na esteira da intensa migração nordestina para a região dos cauchais, Francisco Coelho da Silva chegou, de Grajaú (MA), ao Burgo.

1898 – Em 7 de junho, Francisco Coelho da Silva deixa o Burgo e se estabelece na junção do Tocantins/Itacaiúnas, com um pequeno comércio (Casa Marabá), para negociar com extratores do caucho que subiam e desciam os rios.

1903 – A morte de Carlos Leitão, a 3 de abril de 1903, assinala o fim do Burgo.

1904 – A sub-prefeitura do “Burgo do Itacaiúnas”, é transferida para o povoado Pontal, na época com 1500 habitantes, com o nome de Marabá. É a primeira vez que esta denominação aparece em documento oficial.

1908 – Políticos locais fazem representação ao presidente do Estado do Goiás, pedindo a anexação de Marabá àquele estado. O Governo do Pará ao saber do fato expediu contingente policial ao local para garantir seus direitos, neste mesmo período, via Conceição do Araguaia, chega oriundo de Goiás a nomeação de agente fiscal de Marabá, para o tenente-coronel Norberto da Silva Mello, então ausente. O portador da nomeação, Sérgio Prado, intimado pelo Dr. Francisco de Carvalho Nobre, que comandava o contigente policial, foi obrigado a entregar-lhe a nomeação. Através da lei de nº 1.069, de 5 de novembro deste ano, foi instalada a Comarca do Araguaia, ficando Marabá um Distrito Judiciário.

1913 – Atendendo reivindicação da comunidade marabaense o Governador do Pará, Dr. Enéas Martins, criou o município de Marabá, através da Lei nº 1.278, de 27 de fevereiro de 1913. No dia 5 de abril, foi instalado o município, sendo nomeado o Cap.Pedro Peres Fontenelle, como representante legal do Governador e serviram de secretários Ten. Raymundo Nonnato Gaspar, prefeito em comissão e Manoel Gonçalves de Castro. A Comissão administrativa composta pelo presidente Ten-Cel. Antônio da Rocha Maia, e os seguintes membros; Major Quirino Franco de Castro, Cap. Afro Sampaio, Cândido Raposo, Melchiades Peres Fontenelle e João Anastácio de Queiroz (como representante do Major Quirino Franco, ausente).

1914 – Marabá torna-se Sede de Comarca (Decreto n.º 3.057, de 27.02.1914);- Em 27 de março, instalação da Sede pelo seu primeiro juiz: Dr. José Elias Monteiro Lopes; – O primeiro Intendente eleito, Cel. Antonio da Rocha Maia, toma posse em 15 de novembro.

1916 – Em 24 de junho, aporta em Marabá o primeiro barco a motor “Pedrina”, do Sr. Alfredo Monção.

1920 – Este ano marca o início da exploração da castanha em grande escala, coincidindo com a desvalorização do caucho.

1921 – Eleito Intendente João Anastácio de Queiroz.

1922 – Pela Lei 2.116, de 3 de novembro foi declarado extinto o município de Araguaia.

1923 – Através da Lei 2.207, de 27 de outubro, Marabá eleva-se à categoria de cidade; O Decreto 3.947, de 29 de Dezembro incorpora o território do Araguaia ao município de Marabá.

1925 -Em 21 de abril funda-se a Associação Marabaense de Letras, da qual participaram: Dr. Ignácio de Souza Moitta, Dr. Francisco de Souza Ramos, Lauro Paredes, Arthur Guerra Guimarães, Antonio Bastos Morbach, Arthur de Miranda Bastos, Dr. João Pontes de Carvalho, Manuel Domingues, Antonio de Araújo Sampaio, Afro Sampaio, Maria Salomé de Carvalho, João Montano Pires, Alfredo Rodrigues de Monção e outros.

1926 – Registra-se a primeira grande cheia. A cidade é toda destruída. Durante cerca de quatro meses, o povoado de Lago Vermelho (hoje Itupiranga) asilou a maioria da população, acossada pelo flagelo, tendo servido provisoriamente de Sede da Comarca, por determinação do Juiz de Direito Dr. Souza Moittta, com aprovação do governo; no ribeirão Cametaú, defronte ao povoado de Lago Vermelho, foi descoberto diamante, tendo sido a primeira pedra encontrada adquirida por 100$000 (Cem mil réis) pelo chefe político daquela povoação, Homero dos Santos e Souza, que a levou para Marabá e mais tarde a ofereceu a Deodoro de Mendonça.

1927 – Marabá passa a ser o maior produtor de castanha da região tocantina.

1929 – A cidade recebe iluminação, através de uma usina a lenha.

1931 – É inaugurado o Mercado Municipal.

1935 – Em 17 de novembro é inaugurado o aeroporto de Marabá, com a chegada do primeiro avião, pilotado por Lysias Augusto Rodrigues. Na ano a cidade tinha apenas 460 casas e 1.500 habitantes fixos.

1947 – É criado o município de Itupiranga, desmembrando-se de Marabá as áreas dos distritos de Itupiranga e Jacundá.

1949 – Funda-se o Colégio Santa Terezinha, das irmãs Dominicanas.

1960 – A construção da rodovia Belém-Brasília traz novas possibilidades comerciais para Marabá.

1961 – São criados os municípios de São João do Araguaia e de Jacundá pela lei 2.460, de 29 de dezembro. Ambos foram desmembrados de Marabá.

1966 – Iniciam-se as explorações de minérios da Serra dos Carajás.

1969 – É aberta a rodovia PA-70, que liga Marabá à Belém-Brasília.

1970 – Marabá passa a ser “Área de Segurança Nacional” até 1985.

1971 – Fica pronto o 1.º trecho da Rodovia Transamazônica. O governo federal estabelece o Projeto Integrado de Colonização (PIC) do INCRA, em Marabá.

1972 – Inicia-se na região o conflito armado conhecido como Guerrilha do Araguaia, que termina em 1975.

1973 – A construção da Hidrelétrica de Tucuruí tem início, formando um lago de 2.460 km².

1980 – Marabá é atingida pela maior enchente de sua história: o Rio Tocantins sobe 17,42 metros; é descoberto o Garimpo de Serra Pelada.

1984 – Entra em funcionamento a Estrada de Ferro Carajás. No ano seguinte inicia-se o transporte de passageiros; é criada a Casa da Cultura de Marabá – 15/11.

1988 – São desmembrados de Marabá os municípios de Curionópolis e Parauapebas. Inicia-se a instalação de indústrias siderúrgicas em Marabá, para produção de ferro-gusa.

1990 – A Lei Orgânica do município de Marabá é promulgada a 5 de abril.

1994 – O município de Marabá ocupa uma área de 11.243 km² e tem uma população de 140.000 habitantes (Fonte IBGE).

1998 – A população de Marabá é de 157.884 habitantes (Fonte SICOM – D.S.E.M.M. Jul.98; p.3.

1999 – A partir desta data o município firma-se como sede de grandes eventos de repercussão nacional: Fecam, Ficam, Maraluar e Expoama.

2000 – A CMM a prova a nova redação da Lei Orgânica do município (LOM); realiza-se o III Jogos dos Povos Indígenas – 15 a 21/10 na praia do Tucunaré; o prefeito Geraldo M. de Castro Veloso é reeleito com 27.253 votos (45.28%).

2001 – É realizado o FECAM das Artes no período de 22 a 27/07.

2002 – Morre o Prefeito Geraldo M. de Castro Veloso – 02/02; o vice-prefeito Sebastião Miranda Filho (PTB) é empossado Prefeito de Marabá – 06/02; é inaugurada a “Aldeia da Cultura” – 07/09

2003 – Inaugurada a Orla do Tocantins – 31/12

2004 – O prefeito Tião Miranda é eleito com 37.625 votos; CMM reduz o seu quadro de parlamentares de 17 para 12 vereadores; novo Fórum de Marabá é inaugurado – 05/11; Casa da Cultura completa 20 anos – 15/11; o Distrito Industrial de Marabá-DIM chega a marca de 1.674.720t de ferro gusa.

2008 – O prefeito Maurino Magalhães(PR) é eleito com 45.963 votos

  1. ? 1,0 1,1 Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. ? Estimativas da população para 1º de julho de 2009 (PDF). Estimativas de População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (14 de agosto de 2009). Página visitada em 16 de agosto de 2009.
  3. ? Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  4. ? 4,0 4,1 Produto Interno Bruto dos Municípios 2002-2005. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (19 de dezembro de 2007). Página visitada em 11 de outubro de 2008.